Por favor aguarde...

Porquê um sistema de rega? Nós esclarecemos.

  • Porquê um sistema de rega? Nós esclarecemos.
    2019-04-04

    A rega é a tarefa mais importante para manter o seu jardim bonito e saudável.

    A água deve ser fornecida na quantidade certa tendo em conta as necessidades das plantas e da zona ajardinada.

    Como forma a tirar um maior proveito da água dispensada nesta tarefa opte por um sistema de rega.


    Porquê um sistema de rega?

    O sistema de rega tem como principal objetivo o fornecimento controlado de água, na quantidade e momento certo.

    A instalação de um sistema de rega adequado ao seu jardim pode significar até 90% de poupança comparando com os gastos da rega manual.

    Esta solução, para além de prática e autónoma, ajuda a reduzir os custos de manutenção do seu jardim, na medida em que fornece a quantidade necessária às suas plantas, assegurando a sua produtividade e sobrevivência.

    Para além de um benefício para a sua carteira, os sistemas de rega são amigos do ambiente. Estes sistemas avaliam a quantidade de água que o solo do seu jardim tem capacidade de absorver e adequam a quantidade dispensada durante a rega, evitando assim desperdícios.


    Tipos de Rega

    O tipo de sistema de rega mais adequado depende, entre outros fatores, da morfologia do terreno do jardim.

    Na rega por macro irrigação ou aspersão a água é distribuída no solo sob o efeito de chuva, permitindo uma rega uniforme e regular, abrangendo a totalidade da superfície.

    Este tipo de rega pode ser efetuado através de dois métodos:


    - Microaspersão: com este sistema a água é distribuída em parcelas do solo, através de microaspersores, que distribuem a água sob a forma de “chuva”.

    Sendo este um sistema de rega de curto alcance, é ideal para regar floreiras e pequenos canteiros.


    - Gota-a-Gota

    O sistema de rega gota-a-gota é um sistema de fácil construção.

    Neste sistema, a rega é feita em pontos do solo através de gotejadores de baixa pressão, idealmente localizados junto a cada planta, que distribuem a água sob a forma de gota.

    Para a construção de um pequeno sistema gota-a-gota, apenas é necessária uma torneira que forneça água às tubagens. Estas tubagens contêm pequenos orifícios preenchidos por gotejadores que permitem a saída de água para a planta.

    Para um grande sistema de rega gota-a-gota, ou seja, que abranja uma extensa área, para além do tubo gotejador e de gotejadores é também necessário um motor-bomba para fornecer água a todo o sistema, um programador eletrónico, válvulas e no caso de se tratar de uma construção moderna, um sensor de humidade, um sensor de chuva e um sensor de vento e gelo.


    Quais os materiais necessários para cada tipo de rega?

    Aspersores

    Indicados para superfícies de média a grande dimensão, como relvados ou parques públicos, os aspersores são emissores rotativos em torno do eixo vertical, que funcionam a média pressão e possuem um alcance variável entre entre 5 a 25 metros.


    • Pulverizadores

    Ideais para regar pequenas áreas, os pulverizadores ou emissores estáticos de cabeça funcionam a baixa pressão e possuem um raio de alcance reduzido – entre 1,5 a 5,5 metros.


    • Gotejadores

    Os gotejadores são emissores que distribuem a água sob a forma de gota, funcionando a baixa pressão.

    Os gotejadores são aconselhados para regarem caldeiras das árvores, floreiras, pequenos canteiros ou pequenas superfícies. Sendo a implantação feita por planta, estão tipicamente montados em tubos de polietileno de 16 mm de diâmetro, com espaçamento constante.


    • Filtros

    No início de um sistema de rega é necessário implementar filtros, de forma a evitar que o lixo que a água possa conter fique retido e entupa os aspersores.


    • Programadores

    Para uma gestão eficiente dos tempos de rega e da quantidade de água libertada é necessário dividir a zona em sectores. A existência de tipos de rega também origina a criação de sectores, devido a tempos de rega diferentes. O controlo da rega por sectores faz-se através de eletroválvulas e um programador que as controla.


    • Electroválvulas

    As eletroválvulas usadas em sistemas de rega são normalmente fechadas. Através de um impulso elétrico permitem controlar o fluxo de água num determinado sector de rega. 


    • Tubagem

    A tubagem é o conjunto dos tubos que constituem o sistema de rega. Tem como função a condução da água desde a sua origem até aos emissores.

    Os tubos mais utilizados nos espaços verdes são tubos designados por PEAD (politelismo alta densidade).


    • Sensor de Vento e Gelo

    Este tipo de sensor tem como principal objetivo evitar danos nas tubagens, na medida em que impede a circulação de água nos tubos congelados, evitando a rutura dos tubos e consequentemente a perda de água.

    Para além deste facto, este sensor, na existência de ventos de alta velocidade, faz uma paragem no gota-a-gota de forma a evitar perda de água.



    • Sensor de Chuva

    O sensor de chuva é um tipo de sensor existente no sistema gota-a-gota que permite detetar a precipitação, suspendendo assim a rega até o sensor se encontrar completamente seco e as plantas terem necessidade hídrica novamente.


    De entre as várias vantagens já mencionadas, a comodidade de controlar a rega do seu jardim à distância e a poupança de tempo permitem-lhe ir de férias descansado.


    Continua com dúvidas sobre o sistema de rega mais adequado ao seu jardim? Contacte a nossa equipa AQUI!


  • Nogueira: Materiais de Construção
    Nova imagem e o profissionalismo de sempre!
  • Digitalização da Indústria da Construção Civil: Tendências 2019

    A inovação é a base da Construção Civil em 2019. Fique a par das principais tendências para este ano e comece hoje a preparar a sua empresa para a Indústria 4.0.